Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
03
Nov 18
publicado por primaluce, às 20:00link do post | comentar

Assim como estamos a fazer, contactando elementos concretos de que já nem nos lembrávamos, é..., também... fascinante; muito divertido!

 

Onde estávamos em Março de 2003? Porque razão não participámos no acontecimento: um Colóquio dedicado ao Pensamento e obra de António Quadros? Nós que temos a certeza, hoje, de ter encontrado o que o Dr.  A. Quadros tanto procurou...?

Image0004.JPG

Acontece que, por estranho que possa parecer, a todos mas sobretudo a mim (e depois de consultada a agenda de 2003), ficarmos a saber que estivemos a trabalhar, exactamente, nos temas do que, cada vez mais, nos vai surgindo (agora e a esta distância), sem dúvida, como uma aventura fascinante e prodigiosa. Porque repleta de novidades incríveis, como verdadeiros prodígios.

Perguntamo-nos, neste instante, ou quando tudo isto é recordado e vem à memória, como se tornou possível que a progressão na Carreira Docente, da Escola em que já estava há mais de 25 anos, e em que a escola era secundária, pois também ela (própria*) teve que progredir para passar a ser Ensino Superior; como foi possível, que algo que deveria ter sido simples, normal e fácil - dada o «embalo e a velocidade» em que já estávamos -, se viesse a tornar neste «encalhanço» em que ainda estou, hoje?**

Claro que vamos continuar a perguntarmo-nos, e a viver, assumidamente, a perplexidade de uma série de paradoxos...

Porém, o principal, não é um ou quaisquer outros paradoxos, ou quaisquer surpresas e contradições, como normalmente usamos a palavra paradoxo, para significar surpresa:

Aqui o maior Paradoxo é Científico!***

Não é Física - que é uma Ciência mais rigorosa e exacta. É História e é Arte - que habitualmente colocamos na área científica das humanidades e das ciências sociais.

No entanto, e apesar de ser conhecida alguma relatividade das ciências sociais, não estávamos preparados para que nos saísse (numa rifa da vida) um incrivel Paradoxo Científico.

E é neste contexto, na cabeça de quem tudo isto vem a acontecer, que (re)encontrar o convite (para Março 2003!) do Director-Geral do IADE, Senhor António Ferro, pode ser equiparável a um acordar de repente, de um sonho!?

Ou, talvez mais parecido (?), com o entrar numa máquina do tempo, para viajar num comboio que nos deixasse numa estação, lá atrás, longe, há 15 anos...?

E se assim fosse, se fosse possível haver essa viagem, então viveria (eu) diferente? Faria (eu) diferente?

Pois bem, posso perguntar-me, mil vezes, ... já que a resposta não é nada fácil.

Claro que faria tudo para evitar o tal encalhanço, este que actualmente vivo.

Mas quanto ao resto...? Fui avisando... (eu) sabia o que se estava a passar, e o que estava a encontrar. Todos os dias! E ainda com uma certeza, sempre presente, sempre latente:

Por maior que fosse a loucura, era minha a lucidez!

 

E esta sensação estranha que tenho, isto que sinto - e é-o de facto, mas também um privilégio - foi registada por Miguel Torga, em Sísifo, com dois versos que são lindos:

"Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças…"

 

Já agora uma outra lembrança, também literária, e da vida de alguém. Está em O Mundo À Minha Prucura, no título em que Ruben A. se reviu.

Mas essa é outra história, não a nossa.

~~~~~~~~~~~~~~~~

*Só que aqui o «ela própria», uma escola é, enquanto sujeito (gramatical), ou quem desencadeia a acção, algo muito pouco claro? Como num barco, não ele - porque esse sujeito - não escolhe a direcção em que navega. Porque a dita tarefa, a não ser que a bordo todos tenham caído ao mar (?), essa cabe ao Homem do Leme.  

**Por favor não tenham pena. Não é caso para isso, continuem a ler, porque hão-de perceber.

***Procurem na Internet, já que este conceito existe. E porque desde 2002 o sinto na pele, posso garantir que é bem real. Capaz de nos levar a várias sensações, e às mais complicadas percepções;  absolutamente, inesperadas. Só que nem sempre más (como na lenda de Sísifo)..., e que obrigam a não desistir:

 

Sísifo

Recomeça....
Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças...

in Miguel Torga TORGA, M., Diário XIII.

mais sobre mim
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO