Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
31
Jul 22
publicado por primaluce, às 17:00link do post | comentar

O post de hoje não é novo, porque sai deste outro escrito há 8 anos {POR BEM: A Cruz em Aspa e o seu significado - que agora é acrescentado}.

Porque, se temos a noção da fortíssima probabilidade de a iconografia antiga - a que chamamos ICONOTEOLOGIA - ter estado ainda muito «viva e eficaz», com os seus significados razoavelmente acessíveis, nos séculos XVIII e XIX, também há obras que nos provam que não estamos enganados: de todo!

Neste caso, a existência de vocabulário que foi altamente significante, começa logo na grande porta de Entrada da Casa.

Na porta que dá para a Rua da Escola Politécnica, e onde, embora nunca se tenha lá entrado, sempre tivemos a percepção de que atrás dela, a maioria dos detalhes construtivos/decorativos do interior dessa Casa, deveriam seguir a iconografia da época*. A qual na verdade, em muitos exemplos que existem desde a Antiguidade Tardia, era/foi uma Iconoteologia. Já que se tratavam de imagens criadas para traduzir conceitos religiosos. 

A Cruz em Aspa começou por desenhar os primeiros tectos de catedrais**, várias vezes saltou para o exterior (nos telhados como losango***), e está repetidamente em tectos de igrejas, que podemos ver, se as contemplarmos.

AtelierEsculturaDuquesaPalmela.jpg

E apesar de a contemplatio de que Mary Carruthers escreveu, estar cada vez mais longe, do que parece (na imagem acima) ter sido uma simples modulação, dimensional - quer no tecto do palácio da Vila de Sintra, quer na fachada do atelier de escultura que foi feito para Maria Luísa de Sousa e Holstein nos jardins da Casa do Rato/Escola Politécnica - lá estão, as Cruzes em Aspa, em ambos os casos, repetidas e enfaticamente colocadas.

Associadas, acima e aparentemente na base da edificação; no tecto do Palácio de Sintra, e nos tectos de igrejas e catedrais, como módulo que em geral não se supõe que era significante.   

E no trabalho que escrevemos, sobre Monserrate, nas conclusões - ou Síntese Final (ver na p. 156) - aparece referido (em parte) como "...o Código Geométrico que Reichensperger..." procurou.

Já que, enfim, era tudo o mesmo. Porém, a maioria das pessoas não tem cultura visual, nem bases de geometria para perceber porque era, ou foi tudo a mesma coisa!

Na Visita Guiada da RTP que vimos hoje, percebemos que a casa é um manancial de informações. E quando estiver disponível, vamos tentar obter imagens melhores 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*Provavelmente com forte influência inglesa (georgian)

**Embora, em geral, muitas destas formas venham desde a Antiguidade Tardia, para a Cruz em Aspa, «faltam-nos» exemplos que sejam anteriores aos tectos de igrejas e catedrais... 

***Outra forma sinónima de que, aqui perto, o Chalet que foi de Maria Pia de Sabóia, no Monte Estoril, dá agora testemunho curiosíssimo... A ponto de, o logotipo do empreendimento Villa Maria Pia, estar a usar «os losangos medievais»

ChaletMariaPia.jpg


mais sobre mim
Julho 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30



arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO