Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
25
Out 20
publicado por primaluce, às 11:02link do post | comentar

Sim, serviram para tudo e mais alguma coisa, os círculos de que escreveu Copérnico ao Papa Paulo III.... *

 

Nós dizemos agora "Círculos Entrelaçados", sabendo que são os mesmos de que Copérnico escreveu, e depois J. Képler veio explicar serem - de factoElipses

E sim, é também verdade, os referidos círculos tiveram um uso praticamente ilimitado...

Mais, não se pense que esta coisa abstracta, ou quase aparentemente inútil, irreal e abstracta, de querer representar Deus (trindade) não como figura paterna, e icónica, mas ainda apresentado com recurso ao anicónico é só opção do passado:

Porque ainda agora, na Fratelli tutti, o Papa Francisco - na extraordinária actualização e nas correspondências que faz entre o passado evangélico e as tradições da Igreja, com a actualidade -, também ele lembra a vida íntima de Deus, no essencial/verdade da teologia cristã**

Ensaio-experimental.jpg

E se a nossa imagem de hoje é um ensaio/construção experimental, é porque a mesma se veio a tornar, pelo menos para nós, como uma sintese/composição altamente informativa:

 

Por exemplo, quando descontente com uma certa incompletude da mesma imagem resolvemos melhorá-la (o que verdadeiramente veio a ser explorá-la); quando resolvemos que aos círculos da imagem, já postos na horizontal, se iriam acrescentar mais círculos, cumprindo a mesma regra, mas postos na vertical.

E depois mais ainda, quando se decidiu usar uma cor que fosse diferente, e contrastante, para unir os pontos geométricos notórios da composição feita. Foi então que inesperadamente nos surgiu a cruz pátea, que ainda lembra a cruz templária (que foi «inventada» posteriormente); também os culots cisterciences, e tantas auras com que Cristo é - iconográfica e convenientemente -, representado.   

Mas ainda bastante mais nos aconteceu: porque percebemos a origem de um tipo de planta que está na base de muitas igrejas, e que é confundida com opções que são notórias na ourivesaria, concretamente no design/desenho de muitas cruzes 

Em suma, não desagendámos a imensa temática que descobrimos na FLUL - sob o «seu alto-patrocínio» (embora ocultado pelos respectivos responsáveis), e da qual continuaremos a escrever. E em breve, quiçá, com apoio vindo de fora? De um designer estrangeiro, que já usou esta iconografia ancestral, que faz parte do inconsciente colectivo que Jung mostrou existir...

E que por isto mesmo - dada a sua antiguidade - se tratam de imagens que estando nós tão habituados a vê-las, também por isso, mais facilmente as aceitamos e gostamos delas: sendo portanto imagens que valorizam (não só visualmente, mas muito significativamente) as obras onde se fazem reviver***  

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*De que já se escreveu mais do que um, e não apenas este post.

** Onde está: "...acreditamos que Cristo derramou o seu sangue por todos e cada um, pelo que ninguém fica fora do seu amor universal. E, se formos à fonte suprema que é a vida íntima de Deus, encontramo-nos com uma comunidade de três Pessoas, origem e modelo perfeito de toda a vida em comum. A teologia continua a enriquecer-se graças à reflexão sobre esta grande verdade." (ver http://www.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20201003_enciclica-fratelli-tutti.pdf, Cap. II, 85).

***Ou, que em alternativa se pode dizer assim: "as obras onde aparecem"


mais sobre mim
Outubro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO