Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
28
Mai 19
publicado por primaluce, às 22:30link do post | comentar

Afinal, uns dias ou horas depois a OMS vem dizer que afinal já pensa de outra maneira

De qualquer forma a nossa redacção (ver aqui, e ainda o que se escreveu*) já tinha mencionado que é um fenómeno de causa e consequência:

Como quem atira uma pedra, depois os danos que provoca podem ser do âmbito da medicina... Mas, as pedras só por si não causam doenças. É quando caiem (sobre alguns, talvez mais expostos e frágeis?) é que provocam males ou danos na sua saúde.

De qualquer modo, é claramente muito estranho que se andem a atirar pedras, e assim a criar acidentes danificando os próprios recursos!

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*Em 2008 era impossível prever este desenvolvimento. Ainda bem que uns vêem que é um problema de saúde, e, espera-se..., que os causadores sejam vistos como culpados!
Mais: desde então «as minhas vertigens» aceleraram e quem queria que eu não acabasse o doutoramento ficou feliz.
Ainda vou dizendo que sou doutoranda, e, sabe-se lá (terá sido da volta que a Europa deu ontem?) hoje já houve vários contactos relacionados com os estragos que me têm imposto.
É que não é só a política - i. e., a governação da Pólis - que muda...
🙃O mundo gira e avança!


publicado por primaluce, às 00:30link do post | comentar

... até lá atrás, à Corte de Justiniano (no séc. VI d.C.), ou à de Constantino o Grande (no séc. IV d.C.), todos sabemos que as sociedades, e portanto a política, mudou de mais:

 

A ponto de muitos fenómenos não serem agora compreendidos, nem sequer aceites...

Image0017-b.jpg

Assim não admira - mas nada mesmo... -, que na actualidade, ninguém perceba HISTÓRIA DA ARTE (sobretudo o que se pode encontrar numa investigação, minimamente organizada!).

Concretamente o que foi a Arte mais antiga; ou como muitas das imagens do que hoje em geral chamamos Arte, foram produzidas ao serviço da política, em sociedades que eram teocracias.

Portanto, dizendo de outro modo, muitas dessas imagens antigas foram criadas também para servir a religião e a liturgia**. Particularmente, muitas delas estiveram ao serviço de grandes valores, ou de grandes ideias, como era a ideia de Deus, do qual emanava o Poder.

No nosso trabalho dedicado a Monserrate*** integrámos imagens que, pelos menos os arquitectos - por pensarem com lógicas da geometria -, facilmente reconhecem a sua semelhança com o que está em diferentes artes visuais, incluindo a arquitectura.

É o caso da Fig. 96 (ver nota) publicada inicialmente na História de Portugal de José Mattoso. A figura reúne marcas e sêlos rodados dos nossos primeiros reis, e onde vemos, nos sinais com o número 12 e 14 as mesmas intersecções de círculos que estão nos "cullots" da imagética cisterciense. Mas essas imagens foram também a cruz pátea, ou, passaram ainda às auras dos santos.

Já nos sinais com o número 15, embora muito reduzidos, vêem-se os escudos que derivaram, como defendemos, da forma que é designada mandorla mística  

Image0024.jpg

O que é interessante observar é a passagem alternada, que se verifica, entre formas da natureza (por exemplo as amêndoas), e as formas puras, abstractas, vindas da Geometria e até do Alfabeto. Como é o XP, chamado Qui-Ró (letras do alfabeto grego), no escudo dos soldados. Ver acima no mosaico de Ravenna, que representou a Corte de Justiniano.

Uma imagem que, sempre que a vejo, me lembra D. Afonso Henriques e a Lenda do Milagre de Ourique, ou ainda, e simultaneamente, o episódio - também considerado milagroso -, ocorrido com Constantino, na batalha chamada da Ponte Milvius que ganhou contra Maxêncio.

A História tem sido assim, em que alguns episódios ocorridos com chefes e reis célebres, transitaram mais tarde (vários séculos depois), e dada a fama dos primeiros protagonistas, para a vida de outros: também eles vistos como Grandes, Fundadores e/ou Magnânimos.  

É muito fácil perceber que as gerações de hoje (ou desde há cerca de 20-30 anos...), que receberam muito menos informação; ou a quem não foram incutidos, por exemplo, valores que eram tradição da cultura europeia desde há 5, há 8 ou há 9 séculos, não consigam entender as lógicas daquilo a que se está a chamar Arte. 

Muito mudou, e se nalguns casos a Arte, as Mentalidades e a Política ainda podem ser relacionadas, no entanto, um fio condutor que por vezes em História ainda se estabelece (e se quer ver), está todo ele emaranhado e cheio de nós, tornando dificílima a percepção de alguma continuidade...

~~~~~~~~~~~~~~~~

*Miguel Sousa Tavares em 26.05.2019 

**Que é a administração da Pólis, ou a Cidade.

*** Ver em Monserrate uma Nova História, por Glória Azevedo Coutinho, Livros Horizonte, Lisboa 2008, p. 265.


mais sobre mim
Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
29
30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO