Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
31
Jul 18
publicado por primaluce, às 11:00link do post | comentar

... num curso (e ao vivo) ouvi isto mesmo a RAFAEL MONEO

E hoje parece que só a Wiki se lembra que este arquitecto existiu...


26
Jul 18
publicado por primaluce, às 11:00link do post | comentar

Estamos a trabalhar aqui desde 2010. Tendo alargado a https://iconoteologia.blogs.sapo.pt/ e a https://casamarela.blogs.sapo.pt/.

Em 2017, seguindo bons conselhos alargámos para aqui essa difusão


24
Jul 18
publicado por primaluce, às 12:30link do post | comentar

Dizemos Cultura Visual, para especificar que muitos dos conhecimentos e informações que temos foram obtidas através de um dos Órgãos dos Sentidos, chamado Visão.

 

Claro que um começo assim pode parecer muito estranho (!), a querer sublinhar esta divisão entre fontes de informação, tendo como critério a via sensorial.

Estranho, ou mesmo mais divertido, até a roçar o anedótico, vai depender da vivacidade e agilidade mental de quem ler...

Por nós, apesar de lidarmos frequentemente com a designação Cultura Visual, claro que temos a noção da sua Unidade.

Como por exemplo, também se lê, e ouve, tantas vezes, a expressão CULTURA MATERIAL.

Claro que a Anedota continua em grande!  

Porque a Cultura foi materializada, sim! Plasmada na pedra, no ouro, no couro, na areia; hoje em dia até na pele (nos tatoos). E são sempre ideias, é Pensamento que (numa necessidade de sermos muito certinhos e explicadinhos) dizemos que é imaterial...

Portanto a Cultura é Una. Sendo que às vezes, para se estudar, e porque não podemos abarcar tudo, de facto há cortes operacionais que se impõem.

Alguns inclusivamente especializam-se nalguma dessas áreas científicas, como passaram a ser designados os campos, os ramos, ou os «territórios» de estudo e de trabalho...

Fazem-se as mais variadas das analogias - operação mental essencial, sem a qual, quiçá, não haveria saber, conhecimento, cultura? - sendo que uma das analogias mais reconhecidas é estabelecida com a Topografia, como alguns dos especialistas da Arte da Memória (Frances Yates, Mary Carruthers) nos lembram.

Assim, para esses autores "diferentes assuntos" podem ser "diferentes tópicos"... (vem de topos=lugar)

Só que agora interessa-nos apenas sublinhar a nossa ignorância - por isso perguntamos, se é que existe de facto uma Cultura Visual - onde é que se estudam os componentes - saberes, conhecimentos - que a integram? Em que livros e em que estabelecimentos de ensino se trata desta «coisa vaga», que parece não ter principio nem fim (como o círculo), e que para alguns de nós, dadas as nossas actividades profissionais tão específicas, precisamos dela, mas não se consegue definir e delimitar?

Quando estávamos mais centrados na investigação e na redacção da tese de doutoramento, e quando surgiam dificuldades, lá vinham, muito agitados, uns tipos «guardas fronteiriços», de uma fronteira que nunca ninguém desenhou - e só eles sabem onde passa*... Vinham-nos dizer que ali não podia ser! Teria que ser noutro sítio. Que transpor, a tal linha mental, invisível, e exclusiva das suas cabeças hiper-rigoristas (nós vemos vazias, ou, tendencialmente mais cheias de preconceitos) era proibido!   

Felizmente as cabeças desses guardiões (ou são mais gingatones desta feira ridícula e carnavalesca em que vivemos mergulhados?**) pertencem-lhes a eles, e nós usamos a nossa!

[Cabeça que, diga-se de passagem, é normal. Pois nem é desmesuradamente grande, nem de pôr e tirar, como a deles].

Embora seja preciso dar imenso uso a esta nossa cabeça, quando se consulta e lê um livro como este, cuja capa estão a ver. Mas foi para isso que "Deus no la deu"....*** 

Image0029.JPG

 Um uso que lembra a Ginástica: os movimentos que nos fazem mudar de piso, e de lugar/topos. Pois estávamos ali, mas passamos mais para o lado, ou para o sítio à nossa frente, ou atrás. Nem sabemos para onde estamos a ir quando se fazem descobertas, é o verdadeiro paradoxo.

Muito giro! Mudar é bom, aqui para nós dá saúde e faz crescer: o melhor da vida!

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*Poderíamos (por graça) chamar-lhes também Metodólogos,  já que se apresentam como profissionais de uma metodologia pensada milimetricamente a régua e esquadro. Pensada precisamente para as ciências actuais que não têm uma história: Que nunca se filiaram ou sequer descenderam de saberes antigos, ciências que surgiram prontinhas, num dia e numa hora exacta (TMG!). Esqueçamos até a palavra Polimaths, já que para os ditos Metodólogos essa realidade não é para existir, como também para eles, nunca existiu no passado.

**Gingatones que, sabe-se lá, já podem ter virado «responsáveis da Cultura», ou até consultores ministeriais?, e nós ainda nem sabemos!

***E será assim que se escreve? Ouvia-se antigamente (em escrita fonética deve ser nuladeu...?). Mas mais moda é dizer Thanks God. E dizemos!

Por conseguirmos ler em francês, em português e em inglês, mais ou menos, e ainda o suficiente, para captando palavras latinas, e lendo alguns caracteres do alfabeto grego, conseguir perceber como tudo esteve ligado without borders. 

E sem fronteiras poder encomendar livros pela Amazon ou outras, que nos trazem notícias de escolas e de ensino que é também sem fronteiras... Para pessoas de mentes abertas!


21
Jul 18
publicado por primaluce, às 20:00link do post | comentar

1ª - "A Forma segue a Função" - de Louis Sullivan

2ª - "Re-aproveitar materiais e objectos" - uma das regras para um Planeta mais sustentável

 

Face à primeira ideia/premissa, é licito perguntar: É possível re-aproveitar materiais e objectos? Não vai parecer um bric-à-brac, quando alguns desses objectos pensados para outras funções surgem associados a outras utilizações?

Não vai ser ilógico, anacrónico, até mesmo «coisa de pobretanas», que tiram os objectos dos seus contextos próprios e os adaptam ad hoc para uma qualquer outra função ou propósito utilitário?

Pois ficam as perguntas, próprias para um artista superior, para ele «desagregar e rhetorar», e enfim nos explicar. Já que da quantidade de informação poderá sair alguma resposta...

E então aguarda-se.

Pois em termos de design dificilmente haverá questão mais premente na actualidade


16
Jul 18
publicado por primaluce, às 10:00link do post | comentar

Só (como se fosse pouco!) sobre o atraso da História da Arte em Portugal

 

Muitas vezes tentei procurar, e esclarecer-me, sobre as datas em que viveram ou em que publicaram os seus livros/estudos/trabalhos de investigação, muitos dos autores que admiro e em cujos trabalhos reconheço haver contributos significativos para o avanço dos conhecimentos na área cientifica que é as das imagens.

Podia talvez chamar-lhe Cultura Visual?, mas é tanta, são tantas e tão díspares as confusões existentes neste meio - que vai do Design à História da Arte (mas que obviamente toca tantas outras ciências e saberes*) - que vamos preferindo dizer o que ficou acima, sublinhando por isso a designação: área cientifica das imagens.

E o atraso da História da Arte em Portugal, aqui para nós, ele ronda os 60 anos, e até mais.

Pois temos como referência o meio do século XX, exactamente a data em que nascemos, e em que os melhores autores revelaram os progressos que vinham a fazer.

Daí para a frente, e quando deveria ter sido sempre em crescendo, aconteceu o oposto: alguém, ou muitos ao mesmo tempo? (eles) não viram nada melhor do que repartir, partes e mais partes, uns pelos outros: «disjuntando» assim conhecimentos que sempre tinham estado unidos.

Por exemplo, sem que se preocupassem se era o tempo do texto ou o das imagens...?

Resultado, tudo «bem divididinho» levou ao que hoje se passa: ninguém se entende, ninguém sabe pensar. Porque, ou usam exactamente a palavra e a expressão certa (exclusivamente a que aprenderam, e não sabem sinónimos), ou, meus amigos... : "sff., não se importa de repetir, não ouvi bem, não compreendi!?" 

Mas, em geral não é um problema de audição, e é antes, tout court: "falta de equipamento mental!".

Ou, como diz o outro: "Ah! falta-me o link, mas só esse link..."

Assim, para quem perdeu o dito link «e se desagregou», cá está ele: aqui mesmo!

Quanto à prova das evoluções culturais, a passagem de umas para outras palavras - como referentes do pensamento e das Ideas que ocorrem/ocorreram no dito, ao longo dos tempos (seja individual ou colectivamente) - , aqui fica a contratacapa de um livro díficil de ler, com sublinhados (levezinhos) nossos, sobre como a Arte - geralmente repositório de Ideas - foi passando a ser outra coisa, e mais outra, e outra, e outra**;

i. e., foi evoluindo.

Idée-Panofsky-C.jpg

*Ou seja, «metodologicamente» tão amplo - pela grande diversidade de áreas cientificas que pode implicar - mas depois restrito, curtinho. Ou até, vergonhosamente «mosquitnho-minusculinho», de um pais que não apenas se reduz, geograficamente, à mera e estreita orla litoral, mas apenas e quase só às antecâmaras dos poderes dos gabinetes ministeriais, e pouco mais. A lembrar o resumo de Eça, e como se o mais importante fosse só residual:

... o resto é paisagem...

**Como é por exemplo, nada despiciente, a questão da distinção entre o Bom e o Belo.


13
Jul 18
publicado por primaluce, às 00:00link do post | comentar

Ai, ai tanta informação!

 

Ai, ai, tanta polissemia, ai, ai tanta quantidade (de informação)!

E os que pensam que isto de nada vale, ou valia: que eram imagens sem sentido! Meramente decorativas, seja lá isso o que for**!?, vejam como toda esta temática se foi descobrindo (para nós) a partir do túmulo de Egas Moniz

DSCN5382-b.jpg

Só que, para nós, é a qualidade como adjectivo que interessa (e não a quantidade, como é óbvio...)

~~~~~~~~~~~~~~~~

*Vamos em breve passar ao Dicionário de Símbolos e ao que essas imagens podem - como se diz, vagamente, nesse livro - ter significado.

**Saibamos nós, sim ou não os vários sentidos da palavra decorativo?

Mas há mais: 1. Design e BD em Portalegre!

2. Um D. Sebastião cheio de «arabesques», quando, estou convencida (?) esse ornamento ainda não tinha esta (actual) designação


09
Jul 18
publicado por primaluce, às 16:00link do post | comentar

... para registar (depressa) as ideias urgentes.

399d858f83b16286f4de2bbab8dd4842-e1531092674178.jp

Ou, quem sabe, sem preocupações com a apresentação?


08
Jul 18
publicado por primaluce, às 21:00link do post | comentar

... nas questões da sustentabilidade do planeta.

 

De um artigo sobre a visão do antigo Presidente dos EUA para o futuro do planeta, repare-se como tem tudo a ver com Design, e, sobretudo, com o seu ensino.

Repare-se, enfim, como não há espaço para «fingimentos», ou a ideia de que basta apregoar para ficar feito.

A questão tem que ser propagandeada, é verdade, mas tem que ser executada. Pois exige ideias, acordos, mecanismos e tecnologias (muita substituição do que existe, por novas soluções).

Vão ser décadas a corrigir...

"Barack Obama chamou também a atenção para o facto de, atualmente, a grande dificuldade não ser a falta de tecnologias que possam ajudar a combater as alterações climáticas, mas sim a vontade política, institucional e individual de aplicar essas mudanças. “Temos que arranjar uma forma de educar a opinião pública sobre as vantagens destas opções na sua vida”, explicou."

E, claro que as Opiniões Públicas começam nas escolas!


06
Jul 18
publicado por primaluce, às 12:00link do post | comentar

Haveria tempo para mais trabalhos

e, precisávamos disso!


03
Jul 18
publicado por primaluce, às 18:00link do post | comentar

... deveres.

Claro!

 

De qualquer maneira, repete-se, ficámos (estamos) a ganhar


mais sobre mim
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
17
18
19
20

22
23
25
27
28

29
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO