Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
30
Out 10
publicado por primaluce, às 01:05link do post | comentar

No estudo que dedicámos ao Palácio de Monserrate houve já uma abordagem a diversos Diagramas, os quais se verifica serem uma constante da História da Arquitectura, a maioria «desenhados» a partir de conceitos da teologia cristã*.

Agora destacam-se vários Quadrifólios, alguns bastante recentes, e acrescentam-se informações. Segundo  defendemos esse Diagrama terá traduzido um «amor especial» à Virgem, que, no IIIº Concílio Ecuménico, realizado em Éfeso, em 431, foi declarada “Teotokos”: palavra grega que significa Mãe de Deus.

A devoção à Virgem foi uma constante, e, muitos séculos depois foi coroada por D. João IV, passando a ser Rainha de Portugal. Vários monarcas da Europa, incluindo D. João VI, durante anos pediram a Roma a sua declaração como Imaculada Conceição, o que só veio a acontecer em 8 de Dezembro de 1854 (reinado de D. Pedro V).

Tudo isto é História da Igreja e do Cristianismo, porém, vários autores – como é o caso de Mark Gelernter, arquitecto e professor da Universidade do Colorado (Denver) que escreveu Sources of architectural form. A critical history of western design theory, University Press, Manchester, 1995 – conhecendo essa mesma história, estabelecem paralelismos, pontuais, entre algumas obras, e respectiva iconografia, com a teologia cristã. Por isso, no nosso trabalho (Monserrate,…), usámos uma expressão de Mark Gelernter, que nos foi de grande utilidade: já que permitia reforçar o sentido daquilo que estávamos a encontrar.

A referida expressão (e sobretudo essa noção, que pode não ser «estática») – “estrutura divina” – relativa às especificidades do Deus Cristão, simultaneamente Uno e Trino, aparece em várias frases do autor norte-americano, quando explica as suas teorias, relativas ao que está subjacente na Arte e Arquitectura Medieval. Aconselha-se a sua leitura, e, incluem-se exemplos de outros Quadrifólios, para além dos que já estão no livro: alguns estampados em azulejos que, podem não ter mais de 40 anos…Será?

 * Ver no livro as imagens nº111 – A, B, C e D, na p. 271, e o texto correspondente, na p. 157, completado na nota 407.

No trabalho de Mark Gelernter pode ler-se por exemplo: "...in the Middle Ages art was considered interesting only in so far as it symbolized the Divine." Depois, o autor coloca-se na situação de quem na Idade Média, tinha que produzir Arte e objectos com esse cunho. Por isso pergunta quais as formas que lhes deviam ser dadas: "  ...if art  no longer captures realistic images of the sensory world, but instead should lead men's minds to contemplate an extrasensory divine world, upon what, exactly, should their visual images be based?" (op. cit., pp. 74 e 75).

 

A haver uma resposta para a pergunta acima, para já, é da nossa responsabilidade. Vamos buscá-la, em parte, à última obra de António Damásio; a outra parte vem dos nossos estudos, de vários autores. Defendemos que as Formas Iconográficas que estão na Arquitectura são: «Mapeamentos da Ideia de Deus». E, aproveita-se ainda para perguntar, têm notado o emprego desta forma? Concretamente a sua existência em jardins, no desenho dos lagos? Mas, desde já se lembra, que um dos exemplos mais bonitos que conhecemos - e muitos talvez estejam de acordo...? - é chamada fonte, e fica na «Varanda de S. Jerónimo», em Santa Marinha da Costa, Guimarães. Hoje Pousada, que foi projectada por Fernando Távora, no que constituiu uma profunda intervenção feita nesse Mosteiro, cerca de 1980-85. 


09
Out 10
publicado por primaluce, às 17:45link do post | comentar

Segundo vemos assiste-se a uma progressiva (e assustadora...)  "Desmaterialização do Conhecimento". Com uma boa parte dessa «desmaterialização» a passar pela excessiva utilização dos meios informáticos; os mesmos meios que aqui e agora estamos a empregar.  

O desenho que consta na capa d' O Livro da Consciência, de António Damásio - o contar pelos dedos - corresponde à percepção da necessidade de materializar, para entender: i. e., ajudar a mente a progredir na aquisição do conhecimento, até mesmo quando fôr necessário fazê-lo de um modo físico, e mecânico. 

António Damásio escreveu sobre "Mapear o Pensamento", mas, nalguns casos, e como nos apercebemos na investigação dedicada ao Palácio de Monserrate, quando a compreensão é mais dificil, para memorizar os factos e as informações que se pretendem conhecer, a mente (e o corpo inteiro)  socorre-se de outros meios.

No trabalho sobre Monserrate (defendido na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em Jan. de 2005), deixámos aquilo que nos pareceu ter acontecido, com grande frequência, tendo originado a Iconografia da Arquitectura: "A existência no passado de representações arquitectónicas, nem sempre desenhadas para construir. Julga-se que frequentemente, raciocínios e pensamentos puderam conceptualizar-se, com recurso a lógicas geométricas e arquitectónicas. Não eram “arquitecturas para construir”, mas apenas “ideias arquitectadas”, para assim se facilitar a sua compreensão" *


* Ver Monserrate, uma nova história, op., cit, p. 34.


 

 

 Tags actuais e para futuro: Saber, Conhecimento, Imagem, Ideia, Pensamento, Registos, Esquemas, Ideogramas...

 



mais sobre mim
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23

25
26
27
28
29
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO