Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
24
Jan 15
publicado por primaluce, às 13:00link do post | comentar

Como sabemos não basta fazer investigação, é essencial estar aberto à novidade, e ao sucesso de uma boa investigação: concretamente desejar ter bons resultados!

Como sabemos não basta proclamar - só em teoria - a criatividade e a interdisciplinaridade, é essencial praticá-las!

 

Em face do que se escreveu acima, enfim, como explicar o comportamento da direcção de uma Escola de Design - o IADE - que apesar de sucessivos apelos (ignorou-os), tudo fez e tudo tem feito, desde 2008/10, para impedir uma das suas docentes mais antigas para que conseguisse concretizar um doutoramento altamente promissor?

Não lhe dar as condições para investigar e trabalhar, a pretexto de que essa docente era muito necessária para dar aulas, como aliás, posteriormente, os últimos anos/semestres e o serviço docente que lhe foi atribuído, o demonstram na perfeição!

tira_Moebius.jpg

 (clic para legenda)

Com informações vindas de  Nuno Crato - o Matemático - há que reconhecer como a Historiografia da Arte não pode prescindir da máxima interdisciplinaridade: confirmar como a ignorância não leva a lado nenhum.

A menos que o objectivo fosse apenas tomar o poder, ser autoritário, reduzir e destruir tudo o que é conhecimento; tudo o que tinha valor?... 

 


22
Jan 15
publicado por primaluce, às 00:00link do post | comentar

O Post anterior precisava de ser tornado mais claro, e assim aconteceu, acrescentando-se: 

 

"... há o direito de ensinar História - da Arte ou da Arquitectura - assim? Claro que assim não admira que um trabalho (e uma postura como a nossa) seja escondido... Pôr em causa metodologias obsoletas, ou as evidências que entram pelos olhos dentro - como esta em que o rei vai nu - é muito complicado!"

Foi o que fizemos e continuamos a fazer, apesar de expulsos (ou eufemisticamente apenas desvinculada...) da Unidade de Investigação do IADE, que, deveria corporizar - pela nossa ligação à instituição desde 1976 - a verdadeira instituição de acolhimento: por ser aquela a que naturalmente deveríamos pertencer**.

Claro que pomos a nu esta maneira de investigar (?), em que, e exactamente por ter havido resultados muito positivos, é entendido superiormente que se devem esconder. E assim a FCT pode dizer que "esta é a geração melhor preparada": sem que aliás se saiba qual, onde começa e onde acaba essa geração (que só pode ser um imenso gerar de equívocos?). 

E assim, até outros podem querer concretizar «renovações geracionais», de modo a que não sobre, nem sequer fique o mais pequeno resquício, do que eram saberes antigos...***.

Pois como somos obrigados a ver, hoje o que vale é a ignorância, que, claro, «não dá na televisão». É que seria politicamente incorrecto, mas está óbvio, e descaradamente à vista, em instituições a que o MEC concede (grátis, sem inspecções) toda a autonomia.  

NunoCrato-p.174.jpg

NunoCrato-p.175.jpg

(clic para legenda e ver melhor)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*Por várias razões. Talvez a primeira seja a negação da transdisciplinaridade? Ou seja, o querer desconhecer os saberes e os conhecimentos contemporâneos das Obras de Arte; i. e., do tempo em que as mesmas foram realizadas. E essa nudez tem que nos lembrar a Professora Orientadora de Mestrado que repetidamente ainda nos disse - quando o trabalho já estava feito e não se ia deitar fora, para ir fazer de novo uma qualquer fantasia que agradasse aos seus superiores (o que foi dito exactamente há 10 anos, e não há 100...): "Esconda, esconda, ponha para trás"!

Lá «se escondeu» e pôs mais atrás, mas, desse modo a valorizar o conjunto sequencial de imagens - que, como já se sabia, falam por si. Tal é a evidência/existência e a força do conhecimento visual! Desse modo conseguiu-se que fosse apresentado com muito mais lógica - e a poder notar-se pelo desenho geométrico dos ornamentos (que os historiadores de arte não entendem) - a evolução, também temporal, que houve.

**Hoje é o CIEBA e o Instituto Francisco de Holanda que «nos dão guarida», e também notícias fantásticas - "deo gratias!".

Note-se enfim como a força das nossa ideias não tem sido em vão: Não exactamente pela aquisição do grau de doutor - que há muito se dispensa (que fique para os «doutoramentos combinados») -, mas sobretudo pelo reconhecimento da validade das ideias que defendemos...!  

***Que Nuno Crato, "tant bien que mal" (mas nem sempre da melhor forma) tem defendido


mais sobre mim
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO