Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
07
Jun 13
publicado por primaluce, às 00:00link do post | comentar

Post dedicado ao Professor Paulo Varela Gomes que recentemente nos enviou um simpático email com um assunto interessantíssimo, que não podemos deixar de agradecer: felizmente ainda se encontram «referências» (como ilhas, bóias de salvação?) neste mar revolto. Obrigada!

 

Sugerimos que leiam o que se escreveu em 2004 sobre o Losango - vindo de Paulo Varela Gomes. De um livrinho minúsculo, mas rico em informações*. Neste caso sobre a Capela de Santa Maria da Falperra em Braga.

Ou, numa outra alusão, vinda do mesmo autor, sobre um caso Gothic Revival - citando uma expressão que fora usada por Robert Smith**.

Sobre esta Iconografia de génese antiga, e as ideias erróneas que ao longo dos séculos se elaboraram relativas às formas da Arte Cristã (primitiva, mas que não deixaram de evoluir) - hoje é-nos dado verificar, de modo muito real, que são vários os autores nossos contemporâneos (por vezes até conterrâneos ou próximos...), verificamos que dificilmente aceitam o que temos encontrado. 

 

O que nos lembra a história de Dame Frances Yates (1899-1981) - numa analogia que é impossível não estabelecer, ao lembrar, particularmente, as dificuldades que registou no Prefácio do seu último livro.

Mas hoje, ainda que achemos «anacrónica» a designação Gothic Revival - quando se tratam claramente de sobrevivências - também nos lembramos de Françoise Choay, e do que escreveu sobre «a perenidade» do Gótico. 

De qualquer modo, para o mais correcto emprego das palavras, preferimos Gothic Survival, assim como estamos aqui a agradecer a «preferência»!

(legenda: clicar na imagem)

Desejamos que continuem a ler, já que em Primaluce e Iconoteologia, a História da Arquitectura que a Universidade não quer - mas que é, como cremos, a que está nos monumentos - por nós, e porque  estamos firmemente convictos das nossas ideias, também tencionamos que essa História continue a passar por aqui.

É que se há alguns «curiosos» que, tal como nos aconteceu a nós, vão descobrindo e encontrando informações que consideram importantes, por serem desconhecidas da Historiografia; curiosos que estando de fora da universidade querem que essa informação «entre» nela: vinda de fora, e talvez à força (?), em várias instituições de Ensino Superior e nas Universidades. Porém esse não é (e não foi nunca) o nosso caso. 

Connosco, a decisão de fazer o doutoramento, foi porque estando dentro da Universidade nos pareceu ser essa a única atitude correcta: prosseguir no esclarecimento do que se encontrou, "by the way"***, nas investigações do mestrado. A nossa atitude foi, como pensamos, a mais certa (e para o que trabalhámos até muito generosa)...

Seria lógico que a compreensão do que encontrámos - enquadrada por Orientadores e Supervisores dos estudos - levasse de seguida a um abrir da investigação a mais instituições e centros de estudos. Seria útil, lógico e normal - por uma questão de recursos (e de lucros). Seria, mas não foi...

Assim perguntamos - já que não estamos a ver que outras motivações possam ter existido (?) para que tal não acontecesse: 

Será a Crise que justifica «as metodologias» adoptadas?

Será que os Orientadores se desorientaram?

Só nós temos a noção do que (Bolsa e Propinas) se investiu...? Despreza-se a retribuição desses valores?

◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊~◊

*O Essencial sobre a Arquitectura Barroca em Portugal, INCM, Lisboa 1987: ver p. 27.

**Ver em Monserrate uma nova história, onde há referências ao Losango e à Mandorla, elementos significantes que foram sinónimos, utilizados alternativamente: referimo-los mais de 30 vezes. E nas pp. 67, 68, 122, 170, 172, 183, ver citações de Paulo Varela Gomes, o que mostra, como pela positiva, ou até pela negativa, as suas ideias contribuíram para a formação das nossas ideias. Por exemplo, raramente estou de acordo quando refere Gothic Revival. Por considerar que há compreender que algumas formas do Gótico, e as do Cristianismo em geral (as mais «falantes»), terão continuado a impregnar as obras com o seu valor significante. Por isso usamos a expressão inglesa Gothic Survival. Embora no caso inglês seja necessária muita atenção, quando se pretender destrinçar o Survival do Revival. Entendemos que ainda hoje há importantes reminiscências, como há tempos se mostrou em: 

http://iconoteologia.blogs.sapo.pt/51633.html

http://www.standard.co.uk/arts/architecture/all-change-at-kings-cross-7565844.html?action=gallery&ino=1    

***Um "by the way" que é altamente devedor a Maria João Neto.


15
Jan 13
publicado por primaluce, às 00:30link do post | comentar

In our last posts, as we stated, from the University of Wisconsin, Madison, Google digitalized (and studied) Monserrate uma nova história*.

The words were counted and for instance the expression «Palácio de Monserrate» was repeated at least 25 times.

The name of «Horace Walpole» we mentioned it 67 times. But his father’s name - Sir Robert Walpole, and his cousin, also called Robert Walpole (the British Envoy to Portugal since 1772, someone Madame Du Déffand has wanted to «change» and influence**); in spite of the important connections between Portugal and England in that time, and their roles in History, we only talk about them some few 14 times.

But other expressions we introduced in our thesis - associated to the new themes we found - are kept ignored, and worse of it, they are being hidden or silent in University  Some of them, such as Gothic Survival, or words like Ideograms and Organograms, were used much less.

One of those words is «Theology» that by the end of our searches we began to understand this subject was strongly (and directly) connected with architecture: the word is found seven times.

And for example Gothic Survival - as we realized what are the main differences between Gothic Revival and Gothic Survival – this expression is much more frequent: 22 times.

This is a significant point, one of the reasons to say that Monserrate Palace is a repository of Architectural History

A theme that is «routine» and unexciting to several schools, faculties or even to the University of Lisbon.

 Contributions to the History of Monserrate. Image: west façade by James Knowles (c. 1858)

Conferences held from 2007 to June 2009. Published by Friends of Monserrate, Lisbon 2009.

 
In portuguese we want to reinforce our ideas, inscribed above on the title:
Há muito tempo que sabemos o valor do nosso estudo sobre Monserrate. Tudo temos feito para a sua divulgação, mas sempre soubemos que haveria de vir de fora o reconhecimento relativo à qualidade que nos esforçámos por atingir. Em investigações consecutivas, onde não esperávamos atingir informações tão importantes. Estudos que sendo na área da Arquitectura (ou por isto mesmo?) não deixaram de trazer consigo inúmeras outras informações: primeiro surpreendentes, depois consideradas úteis e extraordinárias para a compreensão do passado. Sobre:
Como se pensou? Porque se fizeram obras que vemos agora como Arte e como Beleza, mas cujos propósitos não foram exactamente esses...? O que era o Conhecimento? As suas componentes, que diferentes matérias de estudo e modos de produção passaram pela imagem e hoje são vistos como Arte...???    

   ~~~~~~~~~~~~~~~~

*See: http://primaluce.blogs.sapo.pt/134276.html; http://books.google.pt/books?id=AnYvAQAAMAAJ&hl=pt-PT&source=gbs_ViewAPI&redir_esc=y

** See Monserrate uma nova história, Livros Horizonte, Fev. 2008, pp. 91 and 177.   

See also:http://amigosdemonserrate.com/en/node/89

http://iconoteologia.blogs.sapo.pt/


24
Nov 10
publicado por primaluce, às 12:05link do post | comentar

Summary  

In England Gothic Architecture can be traced through the Middle Ages to the Baroque period; it reappeared on the Gothick follies in Rococo Gardens. Around 1750 Horace Walpole decided to build Strawberry Hill. His house would be “a little gothic castle”. The idea came from English garden experiments, or, perhaps, influenced by the Lisbon Aqueduct. Walpole’s letters reveal that he was well informed, in touch with Portugal.

The “castle” was constructed experimentally, embodying continuous historical and archaeological research. Since then, the origins and a consistent theory explaining Gothic architecture was not yet produced. According with new ideas, we have a proposal: There were connections between Theology and Geometry; a Diagram became an architectural leitmotiv. First it was a symbolic-decorative form, afterwards a supporting element - the Pointed Arch. Our explanation makes clearer the difference between Survival and Revival Gothic.  

Throughout the eighteen-century, some Grand Tour travellers came to Portugal. The Earthquake, Lisbon Aqueduct, Alcobaça and Batalha Abbeys, were attractive; and also the opportunities for business: Gérard Devisme, was granted a Monopoly, became millionaire and his houses famous.

He spent summer in Sintra, where he constructed Monserrate. This “Chateau” has been seen the first Neogothic house in Portugal. Later William Beckford inhabited it, but when he left Portugal, the mansion was abandoned altogether.

Byron visited the place, and after, c. 1860, another English millionaire rebuilt the manor, with plans of James T. Knowles. The reformed building is a strange blend of Gothic and Oriental elements. As it became usual, architects employed patterns from archaeological discoveries:

It combines forms of the Batalha Monastery, the Alhambra Palace, and Venice Palazzos. The decorations revealed by James Murphy, Owen Jones and John Ruskin last studies, are inscribed in Monserrate:

 

This masterpiece of High Victorian architecture is a Venetian Gothic Revival, influenced by “Stones of Venice” (1851-3).  

 Apesar de ser em português - Monserrate, uma nova história* - está

no catálogo de algumas bibliotecas influentes, por exemplo:

Despite being in Portuguese – our Monserrate, a new story - is in the catalog of some influential libraries, for example:

http://yufind.library.yale.edu/yufind/Search/Results?lookfor=Gl%C3%B3ria+Azevedo+Coutinho&type=Author&submit=Find

~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~-~~-~-~-~-~-~-~-~~-~-~-~-~-~-~-~~-~-~-~-~-~~-

* Monserrate, uma nova história, Livros Horizonte, Lisboa 2008

ISBN 978-972-24-1528-6


mais sobre mim
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO