Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
18
Abr 12
publicado por primaluce, às 12:00link do post | comentar

Vamos hoje celebrar como desde os anos 1985 temos feito. A fotografar, a explicar, a alertar**.

Que haja quem beneficie, como é no caso do Palácio de Monserrate.

Cuja visão passou a ser, agora, não mais a de uma obra «descendente» do Pavilhão Real de Brighton - como J.-A. França em geral divulgou - mas a de uma obra muito influenciada pelos Palazzos Italianos; os «Góticos Tardios» de que Ruskin escreveu em Stones of Venice.

E nisto tudo - felizmente ou não, não se sabe (?) - as entidades tutelares não têm posições rígidas quanto aos bens nacionais, que, como é suposto, gerem e administram. Essas entidades, em geral deixam correr as opiniões e as posições dos estudiosos, que assim têm toda a liberdade de se exprimirem; parece positivo!?

Mas, é sabido, no caso de algumas «artes mais esquecidas» como acontece por exemplo com algumas peças escultóricas, e, bastante, com a ourivesaria, nessas situações então as entidades tutelares, e sobretudo os seus técnicos que com maior disponibilidade olham para as obras todos os dias, nesses casos, produzem documentação técnica, os estudos e contextualizações, a que os de fora  não se dedicam tanto; nem podem. 

Pensamos, não só em Monserrate, mas nos «Painéis do MNAA», que, para alguns (os tais de fora), parecem ser a única Obra de Arte do nosso país, e o único Monumento Nacional (MN)? Como quem insiste, e bate sempre na mesma tecla: ficamos por aqui, não vamos mais longe, pois além da Lisboa macrocéfala, «o resto é paisagem»...

Só que, quanto mais todas as obras forem olhadas e valorizadas, as de todo o país, mais as pessoas se treinam a ver, a gostar e a compreender. Ou vice-versa, sabe-se lá o que é primeiro? 

Mais, talvez um dia alguém o perceba: o quanto da Arquitectura veio da Ourivesaria? Que João Frederico Ludovice, ourives, teria muitas das informações necessárias para dirigir as obras reais?

E que os «alarifes» de que Regina Anacleto tem escrito, no caso da Pena (ou de outras obras), não prescindiam dos que sabiam das «outras artes». As necessárias à sustentação física - i. e., contra a força da gravidade - como eram os conhecimentos de Geologia e Minas que Eschwege (barão de Eschwege, Guilherme von Eschwege - o engenheiro alemão que D. Fernando II contratou), dominava e possuía.

Só há património com todas as artes, todos os conhecimentos e todas informações. É dificílimo que alguém, sozinho, possa dizer que é especialista, sem uma equipa. Aliás, neste nosso cada vez mais suposto doutoramento, essa é a grande pecha: o «desentendimento» da maior utilidade dos nossos estudos. Para todos! Estudos que são um deleite, é certo, mas sobretudo trabalho que é, ele próprio, um valor!   

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~  

*http://www.igespar.pt/pt/

**http://iconoteologia.blogs.sapo.pt/9003.html,

sabem que essa obra é um MN?


22
Fev 12
publicado por primaluce, às 13:30link do post | comentar

...que ao longo do tempo muitos têm visto como uma «máscara» - quase Carnavalesca* - sem se aperceberem da sua enorme semelhança, que a tem, com as obras do Gótico Tardio. Obras que em Portugal são chamadas manuelinas (e julgadas únicas!!!), mas que existem por toda a Europa, mais ou menos ricas em Ideogramas Medievais**. Sejam eles ornamentos ou formas estruturais. 

Toda essa Iconografia são imagens que continuaram significantes (i. e., portadoras de ideias), e que por isso se aplicaram: não só na Idade Média, mas tendo continuado a ser usadas, durante séculos.

É o que acontece nos Açores, na Arquitectura Religiosa, mais tradicional

Há uma Nova História da Arquitectura que está para contar...

e que aos poucos, aqui, há-de ver a LUZ. Intercalada com a nossa própria história, mostrando como a formação mais completa e diversificada, a capacidade de discernir temas - visuais e linguísticos, a par de uma boa prática de transversalidade disciplinar, permitem progredir e compreender o passado***. Uma compreensão que embora nos pareça (a nós) facílima - e talvez também aos que nos incitaram a não desistir? - cada vez mais, com o tempo, vai-se percebendo como revela o enorme desnível cultural, dentro das próprias escolas, entre gerações de professores. Note-se, é muito mais entre gerações, do que entre pessoas da mesma geração, até com formações diferentes...   

~~~~~~~~~~~~

*Ler alguns textos, por exemplo de J.-A. França, que embora muitíssimo perspicaz, nunca deixa de se colocar na posição de quem sabia como ia ser o futuro. Um futuro que não está a concretizar-se, passando a haver uma História da Arquitectura mal contada (com base no "Ornamento é Crime", de Adolf Loos). Porém, não deixem de ler o último parágrafo do trabalho, Monserrate uma nova História, na p. 160.

**Ver em: http://primaluce.blogs.sapo.pt/31804.html

***Como fez Antonio Castro Villaba, autor de Historia de la construcción arquitectónica. Edicions de la Universitat Politècnica de Catalunya. Barcelona 1999


mais sobre mim
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO