Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
06
Mai 15
publicado por primaluce, às 00:00link do post | comentar

... visto agora estarmos ainda em obras que «dariam gozo», mas também lucro!

 

Claramente está-se a pensar no «Toino Ai Que Pena» - ou PQPP.

Sujeitinho que está na «melhor» Escola de Design, há 1/4 do tempo a que nós lá estamos, e por causa de quem (acabado de chegar) tivemos que ouvir, várias vezes: «Você não ensina Património porque o PQPP não deixa!»

Não, não era ele que proferia este disparate, e era sim quem devia mandar nele (e organizar as estruturas e diagramas que uma qualquer escola deve ter, espelhando hierarquias, modo de funcionamento...). Também por que, no mínimo, nestes moldes, esse alguém nos estava assim a mostrar toda sua falta de autoridade.

Ou, será que queria que fossemos nós a ir ajustar contas com o dito sujeitinho? Um «quase pobre coitado», que não tinha/teve culpa de estar ali...*, ou no nosso caso, de «muito eventualmente» ensinarmos Património!?

Ai que tanta pena, sim, que os Palácios de Sintra - sejam eles quais forem - estejam ainda longíssimo de passar pelo crivo de uma Nova Historiografia da Arte, que os explique e actualize, como pudemos fazer para Monserrate - uma nova história, com o apoio cientifico da Faculdade de Letras UL.

Para que se possa começar a ver, com muito maior clareza, aquilo que têm lá dentro, ao serviço - se não for para a Cultura, e para que nos conheçamos melhor - de um turismo cultural que, todos desejam (será que deveras desejam?) seja de qualidade e pioneiro: um Turismo Cultural a poder tirar vantagem económica desse pioneirismo (científico).

De uma "Nova Historiografia da Arte" que esclareça tectos de alfarge e todos os entrelaçados que muitas destas obras patenteiam: Que explique ogivas, artesãos (por exemplo na Sé de Portalegre - artesoados) ou os telhados de tesouro. E como tudo isto se relaciona com a «arca-barca salvífica» de que Hugo de S. Victor (no século XII) escreveu.

Ou ainda, porque não, como esses espaços também se relacionam com arcas tumulares (e a sua tampa) - que pode ser a de Egas Moniz, ou a D. Fernando I, que está em Lisboa no Convento do Carmo.

Que mostre, elucide, porque há octógonos, losangos, triângulos; inúmeros entrelaçados no Palácio da Vila de Sintra, etc., etc. Por fim, como essas formas evoluíram, e portanto também estão no Palácio da Pena. Ou que chegaram à engenharia de um Pier Luigi Nervi, como já se escreveu a propósito de Monserrate: “... ainda se devem ver em Pier Luigi Nervi (1891-1979), nos seus muito interessantes trabalhos de Engenharia de Estruturas, epígonos do ‘Neogótico’...”

Um Neogótico que por sua vez não abunda em Portugal, como J.-A França lamenta, por razões religiosas que o mesmo autor não pôde compreender. Isto é, que não viu que Portugal está no Sul da Europa, «teve» (ou melhor dizendo participou de...) uma Contra-Reforma, e não uma Reforma.**

Que uma nova Historiografia da Arte mostre a todos, incluindo aos «muitos Toinos desvairados» - e fixistas - que por aí existem, que há Conhecimento e Ciência que muda, à medida que o Homem se conhece a si mesmo.

Porque se a Psicologia e as Neurociências nos «mostram» o interior do cérebro, as obras de Arte mostram-nos os esquemas (schemata ou as formas que os constituíam) para a todos falar de Deus***. 

Para que todos vissem nos tectos - ou nos espaços mais abertos, desobstruídos, mais fáceis de olhar e de contemplar, dirigindo os olhos para cima, os sinais de "um Deus que deveriam conhecer e amar". E aqui note-se que no tempo em que viveram, esses «todos» de quem estamos a escrever não tinham outra hipótese.:

O Homem medieval, ou até o Homem moderno, estava num mundo que era inseparável de Deus, de tal maneira que muitas vezes representar esse Mundo ou Deus, era exactamente o mesmo.

Alfarge 001.jpg

(clic para legenda)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*Nem podia saber do «mundinho» em que se fora meter... Assim, para quem chegou, num primeiro momento, seria preciso remontar às origens das origens, para compreender actos de péssima gestão como é este exemplo. E por isso, até podemos dizer, vá-se lá saber de quem é a culpa? Porque, a imensa irresponsabilidade que grassa nas instituições da nossa sociedade, e no Estado, é escondida por uns, propositadamente, mas desconhecida de outros: os ingénuos (e os desinformados - crentes nas aparências que lhes são dadas a ver, e que não se esforçam por ir além de...).

Irresponsabilidade/má gestão, muitas vezes dolosa, e que dificilmente não há Troika capaz de lhe pôr fim, ou sequer detectar...      

**LÁ LONGE, no século XVI, influências que, subterrâneas, se instalam e ficam durante séculos a marcar a história. Assim, há que lembrar que a Pena é obra de um Gotha - Fernando de Saxe-Coburgo e Gotha - e de todos os seus fundamentos (e mais muitas reminiscências) no Império de Carlos Magno. Aliás, sobre isto que tal ler/ouvir Claude Nicolet e o que escreveu em La fabrique d’une nation - La France entre Rome et les Germains des origines à nos jours? Dava-vos jeito? Era o começo de um abrir das mentes (portugas, renitentes à inovação) porque a Europa em que estamos está marcada por uma romanização intensa, mas também, posteriormente, avançando até ao tempo dos nossos primeiros reis, de todas as influências que a França irradiou. Inclusive, o poder (que também deteve) sobre Roma... E só para começarem a discorrer: Constantino, Clóvis, Recaredo, Carlos Magno, Afonso Henriques, todos seguiram um mesmo modelo...

***Que era o Deus-Cristão, que, por razões completamente lógicas originou iconografia (cristã) muito semelhante à iconografia (que todos supõem vinda do Islão) dos Tectos de Alfarge. Ou, a razão pela qual o Palácio da Vila de Sintra também foi chamado o Alhambra português.

O Mundo cresceu- idem a Oikouméne - mesmo que os Toinos

(Ai Que Pena! Que Pena! Que Pena!) não saibam crescer...


mais sobre mim
Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
15

17
19
20
21
23

24
25
26
27
30

31


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO