Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
07
Abr 14
publicado por primaluce, às 21:50link do post | comentar

... como descrito*:

 

"Como se quem o pensou editar quisesse apresentar num único documento o inventário de tudo quanto foi realizado. Certamente para que não perdesse a memória do muito que então foi feito. Falamos então das comemorações e seus resultados, pois o que então se fez foi imenso. Se não vejamos.

O plano então estabelecido era ambicioso, abrangente e convergente. Inclusivo, temática, social, territorial e, mesmo politicamente.

Em 1963, a 7 de Fevereiro, por convite do Presidente da Câmara de então, Engº António Campos de Albuquerque Azevedo Coutinho, autoridades municipais e sociedade civil reuniram-se no Salão Nobre dos Paços do Concelho para reflectir sobre a data e preparar o programa, com a indispensável antecedência, pois pretendia-se que tivesse a maior dignidade possível."

Capa do livro referido no 1º parágrafo citado

 

Sabemos que essas celebrações do VIº Centenário da Vila de Cascais, um evento imenso, que foi muito amplo e multifacetado, e que durou pelo menos um ano (ou nalguns aspectos até ao fim do mandato?) é hoje visto como uma «Construção da Memória».

Mas, por tudo o que (desde muito cedo) pudemos ouvir e aprender, quer da administração local, quer até dos contactos com o governo central - em tempos que não eram os da democracia (mas não deixaram de ser os da nossa formação...); e sobretudo pelo muito que por esses tempos adiante continuámos a receber: quer como informações essenciais, informais, quer nas aprendizagens formais, como é um curso superior, e particularmente o de arquitectura - tradicionalmente ligado, por «vocação» (e também pela etimologia) às Edilidades, e aos poderes autárquicos...

De tudo isso que aprendemos desde há 50 anos, a começar exactamente pelas aprendizagens feitas em casa, desde então, os nossos olhos e a mentalidade que formámos, fazem-nos (agora) ver essas celebrações não como a dita "Construção da Memoria", mas sim como uma imensa «operação de marketing»! Uma palavra que nos 60 estava longe de se usar, embora nos pareça ser, na actualidade, a mais correcta para designar o que foi também - porque o pretendeu ser - uma operação para «a construção do futuro».

Isto é, o que então se fez foi valorizar um concelho, ou como se usava «fazer propaganda»** à Vila de Cascais. 

Por outro lado, se  há quem valorize particularmente a produção bibliográfica do município entre 1964-65, nesse ponto também estamos de acordo (sem qualquer dúvida!): pois para os nossos estudos e trabalhos escolares - feitos nos nos anos 60, e principalmente nos 70 - usámos alguns desses livros. 

Devendo acrescentar-se o que agora se tornou notório, e acabámos a «descobrir» (dentro de nós um passado, que aparentemente estava longíssimo): alguma influência, inconsciente, que pode ter tido (?) para a escolha da temática do nosso doutoramento, decidida em 2006:

Sinais do Espírito Santo na Arquitectura posterior ao Cisma de 1054, e as suas Sobrevivências***      

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*Ver em: http://www.cm-cascais.pt/pessoa/antonio-carvalho

**A designação que era empregue nessa época.

***Ler em Ferreira de Andrade, Cascais Vila da Corte, de MCMLXIV, pp. 459-462, sobre as Festas do Espírito Santo, ou do Imperador, no Concelho de Cascais (Alcabideche), nas primeiras décadas do século XX.  


mais sobre mim
Abril 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
16
18

21
23
24

28
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO