Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
21
Jul 15
publicado por primaluce, às 13:00link do post | comentar

Sim, escreveu-se no último post, e é verdade, temos a noção clara disto (mas também se poderia ir buscar uma explicação em Hugues de Saint-Victor):

 

Com mais conhecimentos, os raciocínios de quem os tem (a esses saberes mais alargados), os ditos raciocínios vão poder basear-se num espectro também mais alargado de suportes ou bases mentais para o pensamento, e em resumo para o Saber*.

Dito de outra forma, quem tem mais músculo e está treinado, levanta mais alto um qualquer peso. Só que aqui, referimo-nos a músculos e a pesos mentais: a quem os tem, e a quem não os tem!

É que na verdade, nos textos da nossa tese de doutoramento (o mesmo já acontecendo um pouco no mestrado**), cada passo que se queria explicar, era como "cada tiro cada melro", ou como "cada escavadela sua minhoca".

Como é que se consegue escrever uma tese escorreita e sintética, para um público (que na verdade não é público, e são por exemplo uns doutores incultos, «ignoradores militantes» que habitam o IHA da Faculdade de Letras?): gente tão incompleta que só aceita "ipso facto", tudo aquilo a que corresponder uma frasezinha escrita, probatória, demonstrativa? E, perguntamos: onde está, já ouviram falar do espírito das obras medievais: dos possíveis "Quatro Sentidos" usados nas exegeses bíblicas (de que De Lubac escreveu, e antes dele, as categorias usadas por Hugues de Saint-Victor)?

Haja paciência para tanta mediocridade.

Pergunta-se mesmo: Mas porque a levam a tiracolo (a mediocridade) para sítios a que chamam Universidades?

Porque não a deixam lá em casa, nas vossas...? De preferência naquele sítio muito doméstico, onde o rei vai sozinho? Onde cheira mal, e que é, exactamente, o único onde fica melhor?

Já agora, preparadinha para entrar no sifão do esgoto...?

~~~~~~~~~~~~

*Como quem pisa o chão - segundo Maître Hugues
**E Thanks God, quando conversei com o Editor, para a publicação, pediu-me exactamente para manter as melhores notas (de rodapé). Já que, em sua opinião, eram muitas, mas dessas - as mais longas e as resultantes da minha experiência profissional, eram/são pouco comuns; e portanto boas, como me disse, ilustrativas de raciocínios que a maioria dos autores não sabe explicar.

E assim nos ocorre (sempre, de futuro) a orientadora Maria João Baptista Neto, mais a nossa fraseologia - exacta. A que achou por bem levar para a televisão, esquecendo-se quiçá (?) que está longe de compreender toda a profundidade (nossa) dos termos que usou... e logo, porque passou a ser mnemotécnico, ei-la como

Gustave Flaubert et son Perroquet


mais sobre mim
Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
16

19
20
23
24

26
27
28
29
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO