Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
02
Out 15
publicado por primaluce, às 00:00link do post | comentar

... ou letras desenhadas «à Arquitecto» sempre soubemos ser um trunfo nosso.

 

Mas quem diria, que um dia, iria servir para passar a limpo as fichas da Secretaria, de uma certa Escola/Universidade?

Ele há cada coincidência, ou, neste caso, o «desconseguimento-de-um-doutoramento» que há-de ficar para a História...

Tal o desprezo com que se é presenteado pelos responsáveis que deveriam pugnar pelo melhor dos recursos humanos das suas instituições:

Veja-se se Sónia Azambuja (ler post anterior) foi posta fora do ISA? Se a Iconografia antiga em que se incluíram as mais variadas espécies botânicas, é um assunto que o Instituto Superior de Agronomia despreze? Se uma docente convidada, doutorada - e com tantos anos de vida como aqueles em que nós estamos no IADE, será que é posta a passar a limpo as fichas da Secretaria?  

Enfim, Senhores nossos, tão grandes que sois - e por quem sois - claro que obedecemos!

Tentativas de burn out?

Re: Ainda não é burn in! De vassoura na mão, sim, faremos todas as limpezas que nos mandarem: as limpezas daquilo que, cada um sabe de si. E vós Senhores, que tanto e tudo sabeis, certamente estareis, certos e nunca vos enganais?

Ou seja, do lixo que destes ordens para se produzir, para se ir guardando e acumulando na Secretaria da Escola/Universidade em que ainda é..., tão Ilustre Reitor

Pois por nós que sempre o soubemos, à mão ou de qualquer outra forma, o importante seria ser, sempre claro, saber iluminar, saber esclarecer!

Por nós sempre soubemos que com a mediocridade e a desonestidade a invadirem tudo - BES, VW, PT, BPN..., e em muitas mais em que se é obrigado a viver mergulhado, qual tsunami, que foi fabricado, propositadamente, na última década enquanto nós estávamos fascinados com todos os Sinais do Espírito Santo na Arquitectura.

É verdade, nós sempre soubemos que ainda um dia iria ser necessário ser útil de um modo muito básico: como saber ensinar, muito do que está em perda; ou seja, o que como repositório soubéssemos ser (e guardar?) -  sobre lisura, honestidade, competência. Mas também ensinar a ler, se tal fosse preciso, o alfabeto, ou a contar pelos dedos, de quem quase nem isso sabe...

Enfim, por nós sempre soubemos que valeria muito mais, sempre mesmo, muito mais, um mestrado feito na Faculdade de Letras - e aí avalizado, apesar de escondido pelos que mais ajudaram a concretizá-lo, com todas as suas qualidades... Do que os mais espampanantes (e os tonitruantes*?) dos doutoramentos que se fossem fazer à Covilhã, lá bem longe na Universidade da Beira Interior!

E claro que com este excesso de litoralização, o interior deserto torna-se ainda mais deserto, só de ouvir certos doutores:

É que entre a Qualidade e a Quantidade, preferimos a primeira: paisible, mansinha! 

(post a continuar «modo NEP», já que vamos começar e parece não haver computador, neste tempo em que a nossa letra - vertigens, cervicais, e muitos anos a mais - já não é nossa a tal caligrafia: a que foi bonita, desenhada e ensinada aos alunos, como está nos livros de Frank Ching ...)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

*Fátuos como os mais lindos fogos-de-artificio-de-Verão, como as Galas e os Glamours pirosos e vazios para que sempre nos convidaram, e a que conseguimos não ir... Pois primeiro estará sempre o trabalho, e só depois ser «lazeirento». Máxima que sempre praticámos na vida, quer no IADE, quer nos nossos projectos, desde 1976 (e muito antes).


mais sobre mim
Outubro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
15

20
21
24

25
27
28
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO