Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
18
Out 10
publicado por primaluce, às 10:42link do post | comentar

Para se poder compreender a arquitectura antiga, é preciso procurar compreender o sentido das palavras.

Não somos nós que o dizemos, mas um autor norte-americano. Pois, como informa, algumas imagens que integram a arquitectura traduziram palavras, e estas, com frequência, traduziam e referiam-se a imagens.

Se continuássemos, de Imagens passaríamos para Ideias, e destas para Formas. Depois, continuando ainda a avançar nessa lógica, entraria a Teoria das Ideias (e das Formas) de Platão.

 

Mas..., não vamos por aí. Agora limitamo-nos ao que já deixámos nos estudos sobre o Palácio de Sintra:

 

No trabalho dedicado a Monserrate fez-se referência a um pedido de D. João V, feito à Academia da História, para que definisse uma «Insígnia» que era necessário colocar num retrato de D. José I, então Príncipe do Brasil, e que seria Rei de Portugal*.

 

Mas, esta palavra "Insígnia" também nos remete para a palavra "Ensinar", que há dias nos surpreendeu. Quando percebemos a sua origem e o que significava. Pretendia aludir à transmissão do conhecimento dos Sinais e das Insígnias.

 

Claro que também andamos enganados (pelo menos na origem), sobre o sentido de outras palavras. Por exemplo, quando usamos as palavras "Arte" e "Técnica", e sobretudo, quando falamos de "Arquitectura".

 

Neste último caso, será que temos a noção que "Arquitectura" significava a «Construção Principal»? Temos a noção que, como tal, tinha que se diferenciar das restantes construções?

Será que sabemos, que para pensar e nos exprimirmos, lidamos com referentes que têm vindo a ser alterados? Os sinais que hoje estão nas obras antigas, aquilo que fez delas Arquitectura (em vez de serem simples construções), o seu significado de génese ancestral, tal como o sentido das palavras, foi-se perdendo. Será recuperável?...   


* Ver em Monserrate, uma nova história, op. cit. p. 66.


mais sobre mim
Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



25
29



arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO