Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
21
Jun 12
publicado por primaluce, às 00:00link do post | comentar

"Encounters" assim se chamava uma exposição que vimos há anos na National Gallery*. Muito mais tarde, ao escrever o trabalho sobre Monserrate, várias vezes recordámos essa exposição. Pois tínhamos a noção que os Revivalismos do Gótico muitas vezes foram diálogos feitos com base no século XVIII, ou, preferencialmente no século XIX, com as obras do passado: algumas 600-700 anos antes.

Nessa exposição da National Gallery explicava-se que a proposta foi feita aos autores, visando, em parte, a recolha de novos olhares sobre o passado; assim como a hipótese de se redescobrirem os métodos que os autores iniciais - por exemplo um dos autores «trabalhado» foi Jan Vermeer - poderiam ter usado para «construírem» as cenas que pintaram.

Há dois anos assistimos a um filme de Manuel de Oliveira, de 7 a 10 minutos, que, peça a peça, e analiticamente, «desmontava» os painéis de S. Vicente, do pintor Nuno Gonçalves. 

Aliás, o mesmo foi feito por J.-A. França, numa descrição que é talvez pouco conhecida, mas que em nossa opinião vale a pena ser lida.

Acontece que há alguns meses atrás conhecemos este trabalho do Paulo Andrade, que está na mesma linha; mas cuja «simplicidade», breve, sintético e directo (sem perca de tempo com palavras supérfluas e inúteis) é impossível não surpreender!

Entre as visões que lemos (de J.-A. França), as sequências de imagens de Manuel de Oliveira, e as inúmeras especulações dos mais variados autores, a síntese de Paulo Andrade - quase instantânea, quase silenciosa - é muitíssimo eloquente. Mais, ela pode tornar-se na metáfora óptima, capaz de encerrar (ou apenas calar por um tempo...?) as dúvidas eternas à volta dos Painéis?

Com a sua ideia de uma realidade - que é a imagem invertida e apresentada a cinzento - da qual se extrai a cor e a nitidez que conhecemos, e que uns mais do que outros (ininterruptamente) captam, parece um «lembrar» da Caverna de Platão. Será?**

~~~~~~~~~~~~~~

*http://www.studio-international.co.uk/reports/ng_encounters.asp

** Ou esta interpretação é só nossa, e provavelmente abusiva? De qualquer forma, e a riqueza dos bons trabalhos é essa: à volta de uma obra de Arte, quanto mais gostada e reconhecida for, mais ricas, e em maior número, serão as suas interpretações. Parabéns, esse olhar para os Painéis é um encontro de tempos diferentes: um diálogo criativo (i. e. o que cria), e portanto muito útil!

http://interferencias.org/wp-content/uploads/2012/01/Poliptico_Paulo-Andrade.jpg

http://interferencias.org/tag/jose-macas-de-carvalho/ 

http://www.behance.net/paulojorgeandrade

http://iconoteologia.blogs.sapo.pt/


mais sobre mim
Junho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
16

18
22
23

24
26
27
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

subscrever feeds
blogs SAPO