Inspirado na Nova História (de Jacques Le Goff) “Prima Luce” pretende esclarecer a arquitectura antiga, tradicional e temas afins - desenho, design, património: Síntese pluritemática a incluir o quotidiano, o que foi uma Iconoteologia
03
Nov 13
publicado por primaluce, às 00:00link do post | comentar
 
... que D. Fernando II transformou em residência real, há informações no nosso trabalho feito a propósito de Monserrate.

 

São mais de uma dezena as referências que fizemos: em geral comparações que deram muito jeito. Paralelismos que se estabeleceram por diversas razões, entre duas obras contemporâneas.

Dessas destacamos agora a questão do Picturesque, que então, e de certa maneira - pode-se dizer assim - «estava na moda».

Depois das construções mais pesadas, inteiras ou quase monobloco do Barroco, surgiram edificações cujo carácter compositivo foi bastante mais «solto», e a que hoje se chamam, frequentemente, organicistas* :

"...o picturesque, o irregular e natural, como a casa de Strawberry Hill tinha tentado captar...", e ser - existe muito mais no Palácio da Pena, do que no Palácio de Monserrate: ideia de que escrevemos (e se encontra publicado**).

No entanto, o que está patente nas imagens seguintes - excertos de uma gravura em que as características orográficas do local são notórias - pode permitir deduzir que a única transformação possível, do pequeno convento hieronimita em residência real, teria que ser, sempre, uma construção articulada, constituída por vários volumes? Com os diferentes volumes a «contactarem» o solo, forçosamente, a níveis também diferentes? O que implicaria, portanto, a impossibilidade de ser uma construção formada por um único volume, de maiores dimensões?

Se colocamos estas questões é para enfatizar o contrário: que sim, que poderia ter sido muito diferente (do que é hoje), a obra feita.

Pois aquele topos rochoso poderia ter sido parcialmente arrasado e aplanado... 

Teria sido um crime, mas também teria dado muito menos trabalho***, na concepção geral da edificação; na engenharia (estabilidade) - particularmente ao Barão de Eschwege. E finalmente, teria sido menos trabalhoso durante a execução da obra. 

Claro, teria sido uma outra obra se D. Fernando tivesse decidido diferentemente...

Por isto, sem dúvida, há que considerá-lo como um Arquitecto Amador: na linha do que existiu na época, com razoável frequência, quer por essa Europa fora, quer particularmente em Inglaterra.

E o Rei Consorte, que como arquitecto amador ganhou prestígio - o epíteto de Rei-Artista - quis sem dúvida imprimir um cunho «orgânico/naturalista», muito marcante, à obra que hoje é chamada Palácio da Pena.

Assim, algumas questiúnculas colocadas actualmente, e que se ficam a conhecer pelos historiadores de arte, relativas à autoria da obra; ou mais concretamente sobre o papel específico que nela tiveram quer o Barão de Eschwege, quer Possidónio da Silva, esses relatos são também reveladores de alguns desconhecimentos (em série). É que ao transpor-se o presente para o passado, como é claro, nem tudo se consegue sobrepor, exactamente... Nem todas as peças encaixam! 

Já que há uma série de gaps e diferenças, entre a prática profissional de hoje, e o modo de trabalhar do passado: podendo aqui e ali ter surgido reminiscências e tradições (?), vindas de um tempo anterior ao século XIX; porém, a História que se fixou - em geral já na 2ª metade do século XX - apesar de ter «topado» nelas, seguiu em frente, sem as questionar ou sequer compreender!?

E é o que nos parece ter sucedido, particularmente com os elementos ornamentais dos Estilos, que não têm sido considerados «ideogramas»:

i. e., sinais de uma língua que até determinada data ainda foi compreendida por arqueólogos e arquitectos...

(clic nas imagens para ampliar e legenda)
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 *Um organicismo que se atribui, sobretudo a Frank Lloyd Wright, mas que é preciso não esquecer, terá tido as suas raízes na obra de Horace Walpole.

**Ver em Glória Azevedo Coutinho, Monserrate, uma nova história, Livros Horizonte 2008, p. 58.

***E menos despesa como algumas décadas depois Adolf Loos argumentou.

http://primaluce.blogs.sapo.pt/137036.html

http://iconoteologia.blogs.sapo.pt/

bien.faire.et.laisser.dire.gac@gmail.com


mais sobre mim
Novembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
15
16

20
21

24
25
27


arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

todas as tags

blogs SAPO